top of page

グループ

公開·12名のメンバー
Gabriel Sanchez
Gabriel Sanchez

A crítica marxista à educação na crise do capitalismo real: contribuições de Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: como baixar e ler o livro de Gaudêncio Frigotto




Você já se perguntou como o sistema econômico em que vivemos afeta a forma como ensinamos e aprendemos? Você já se questionou sobre o papel da educação na reprodução ou na transformação das desigualdades sociais? Você já se interessou em conhecer as ideias de um dos principais pensadores brasileiros sobre a relação entre educação e capitalismo?


Se você respondeu sim a alguma dessas perguntas, este artigo é para você. Aqui você vai encontrar informações sobre o livro Educação e a crise do capitalismo real, escrito por Gaudêncio Frigotto, um renomado educador, sociólogo e pesquisador brasileiro. Você vai saber quem é o autor, o que é a cr ise do capitalismo real, qual é a relação entre educação e capitalismo, o que você vai encontrar no livro e como baixar e ler o livro em formato PDF. Além disso, você vai encontrar respostas para algumas perguntas frequentes sobre o tema.




educação e a crise do capitalismo real download



Este artigo tem como objetivo apresentar e divulgar o livro de Gaudêncio Frigotto, que é uma obra fundamental para compreender a realidade atual e o papel da educação na sociedade capitalista. O livro é resultado de uma pesquisa rigorosa e de uma reflexão crítica sobre os desafios e as possibilidades da educação frente à crise do capitalismo real. O livro é também uma fonte de inspiração e de orientação para os educadores e os educandos que buscam uma educação emancipadora, democrática e transformadora.


Esperamos que este artigo desperte seu interesse pela leitura do livro e pela discussão sobre a educação e o capitalismo. Acreditamos que essa é uma forma de ampliar seus conhecimentos, de desenvolver seu senso crítico e de participar ativamente da construção de uma sociedade mais justa, solidária e humana.


Quem é Gaudêncio Frigotto?




Gaudêncio Frigotto é um dos mais importantes intelectuais brasileiros da atualidade. Ele nasceu em 1946, no Rio Grande do Sul, e se formou em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1971. Ele fez mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) em 1978 e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) em 1986. Ele é professor titular da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e professor visitante da Universidade Federal Fluminense (UFF).


Gaudêncio Frigotto é autor de mais de 20 livros e de centenas de artigos sobre educação, trabalho, capitalismo, política e cultura. Ele é um dos principais expoentes da chamada pedagogia crítica, que se baseia na teoria marxista para analisar a educação como um fenômeno histórico, social e dialético. Ele também é um dos fundadores do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho (GEPETO), que reúne pesquisadores de várias universidades brasileiras e estrangeiras para estudar as relações entre trabalho, educação e sociedade.


Entre as obras mais conhecidas de Gaudêncio Frigotto estão: A produtividade da escola improdutiva (1984), Educação e a crise do trabalho: perspectivas de final de século (1998), Educação e a crise do capitalismo real (2000), A cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho (2001), O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional (2006) e A relação social de trabalho: trabalho produtivo e improdutivo no capitalismo contemporâneo (2012).


O que é a crise do capitalismo real?




O capitalismo real é o termo usado por Gaudêncio Frigotto para se referir ao sistema econômico que domina o mundo atualmente. Ele se diferencia do capitalismo ideal ou abstrato, que é o modelo teórico baseado na livre concorrência, na igualdade de oportunidades, na racionalidade dos agentes econômicos e na harmonia dos interesses individuais e coletivos.


O capitalismo real surgiu no final do século XVIII, com a Revolução Industrial, e se consolidou no século XX, com a expansão das corporações multinacionais, das instituições financeiras, das organizações internacionais e das políticas neoliberais. Ele se caracteriza pela concentração da riqueza, pela exploração da força de trabalho, pela alienação da consciência, pela mercantilização da vida, pela dominação política, pela homogeneização cultural e pela devastação ambiental.


Educação e a crise do capitalismo real: análise de Gaudêncio Frigotto


Como baixar o livro Educação e a crise do capitalismo real em PDF


Resenha do livro Educação e a crise do capitalismo real de Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: uma visão marxista da relação educação-trabalho


Onde encontrar o livro Educação e a crise do capitalismo real de Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: crítica às políticas e ideologias neoliberais na educação


Educação e a crise do capitalismo real: 6ª edição revisada e ampliada de Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: o papel da escola na formação humana


Educação e a crise do capitalismo real: referências bibliográficas de Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: resumo dos capítulos do livro de Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: entrevista com o autor Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: como citar o livro de Gaudêncio Frigotto nas normas ABNT


Educação e a crise do capitalismo real: ficha técnica do livro de Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: o que é o capitalismo real segundo Gaudêncio Frigotto


Educação e a crise do capitalismo real: as teses sobre o fim da sociedade do trabalho


Educação e a crise do capitalismo real: as concepções de educação em disputa na sociedade capitalista


Educação e a crise do capitalismo real: as implicações da teoria do capital humano na educação


Educação e a crise do capitalismo real: as contradições entre mercado, tecnologia e democracia na educação


Educação e a crise do capitalismo real: as perspectivas de emancipação humana na educação


Educação e a crise do capitalismo real: as contribuições da teoria marxista para a análise da educação


Educação e a crise do capitalismo real: as limitações da sociedade do conhecimento na educação


Educação e a crise do capitalismo real: as relações entre Estado, sociedade civil e educação no capitalismo


Educação e a crise do capitalismo real: as tendências pedagógicas na educação brasileira


Educação e a crise do capitalismo real: as experiências de educação popular na América Latina


Educação e a crise do capitalismo real: as propostas de reforma educacional no Brasil


O capitalismo real enfrenta uma crise estrutural desde a década de 1970, que se manifesta em diversas formas, como a recessão econômica, o desemprego estrutural, a precarização do trabalho, a desigualdade social, a violência urbana, a crise política, a instabilidade internacional, a emergência de movimentos sociais e populistas, a contestação ideológica e a degradação ecológica.


A crise do capitalismo real é, portanto, uma crise multidimensional, que afeta todas as esferas da vida humana e que coloca em xeque a sustentabilidade e a legitimidade do sistema. Ela também abre espaço para a reflexão crítica, a resistência popular e a busca por alternativas mais democráticas, solidárias e humanas de organização social.


Qual é a relação entre educação e capitalismo?




A educação é um fenômeno social que envolve processos de ensino e aprendizagem que visam à formação humana. A educação é também um fenômeno histórico que está relacionado às condições materiais e culturais de cada época e lugar. A educação é ainda um fenômeno político que está vinculado aos interesses e aos valores de cada classe e grupo social.


No capitalismo real, a educação é influenciada e determinada pelo sistema econômico que prevalece. O capitalismo exige uma educação que seja capaz de produzir e reproduzir as forças de trabalho necessárias para o seu funcionamento. O capitalismo também exige uma educação que seja capaz de transmitir e legitimar os valores e as ideologias que sustentam o seu domínio. O capitalismo, por fim, exige uma educação que seja capaz de controlar e neutralizar as potencialidades críticas e emancipadoras dos sujeitos educativos.


Assim, a educação no capitalismo real se caracteriza por ser uma educação tecnicista, que prioriza o desenvolvimento de habilidades específicas para o mercado de trabalho; uma educação alienante, que oculta ou distorce as contradições e os conflitos da realidade social; uma educação seletiva, que reproduz as desigualdades de acesso e de qualidade entre as diferentes classes e grupos sociais; uma educação homogeneizadora, que impõe uma cultura única e hegemônica; e uma educação conservadora, que mantém o status quo e inibe as transformações sociais.


No entanto, a educação no capitalismo real não é apenas um instrumento de dominação. Ela também é um espaço de resistência, de contestação e de libertação. A educação pode ser um meio de conscientização, de organização e de luta dos trabalhadores e dos movimentos sociais contra o sistema opressor. A educação pode ser também um fim em si mesma, um direito humano fundamental, um valor ético e estético, uma expressão da diversidade e da criatividade humanas.


O que você vai encontrar no livro Educação e a crise do capitalismo real?




O livro Educação e a crise do capitalismo real é uma obra que reúne dez ensaios escritos por Gaudêncio Frigotto entre 1995 e 1999. O livro foi publicado pela primeira vez em 2000 pela Editora Vozes e teve uma segunda edição revisada em 2011 pela Editora Cortez.


O livro aborda a relação entre educação e capitalismo sob um


グループについて

グループへようこそ!他のメンバーと交流したり、最新情報をチェックしたり、動画をシェアすることもできます。

メンバー

bottom of page